quarta-feira, 7 de abril de 2010

Mudar de vida...

É sempre difícil tomar decisões que ponham em causa os hábitos e as rotinas há muito adquiridos, especialmente quando temos medo dum futuro que desconhecemos de todo, por isso muitas vezes (a maior parte das vezes) nos acomodamos à rotina, por muito incomodativa, por muito que nos doa, por muito que nos magoe, adoptamos a solução mais fácil, viver um dia de cada vez, simplesmente porque é preferível viver do que não viver de todo...
E o tempo vai passando, por vezes vão-se passando os anos, e, o desgaste causado pela tentativa de negação da realidade que conhecemos torna-se tão íntimo que não nos permite descortinar que há um mundo lá fora à espera de nós...
Mas um dia, porque mais cedo ou mais tarde há sempre um dia, acordamos, abrimos a janela, olhamos e vemos que afinal há sol, há calor, o céu está azul e descobrimos um outro lado da vida, e aí coloca-se-nos uma outra questão, o medo...
Como fazer? Como reaprender a caminhar? Como é seguir em frente? Serei capaz?
(Serei capaz?)
A contradição entre o querer fazer, o querer sentir, o querer viver e o medo de seguir em frente, o medo do desconhecido, faz-nos sentir perdidos, cambalear, ter dúvidas... porque de facto o medo existe, está lá, lado a lado com a vontade de seguir em frente, de cortar com a passado... o medo, sempre o medo, que de repente se torna tanto no nosso melhor amigo como no nosso pior inimigo...
O primeiro passo é dado no momento da tomada definitiva de consciência de que algo terá que mudar, mudar definitivamente, mudar....
O segundo passo é dado no momento em que dizemos não, não queremos mais, definitivamente não queremos mais...
A luta, essa inicia-se no momento da tomada a decisão, na consciência de que não vai ser fácil mas, que o primeiro passo está dado, há que seguir em frente...
A importância de não nos sentirmos sós, dá-nos a força necessária, dá-noa a coragem de não desistir...